Fique por dentro das mais modernas práticas e tecnologias de recrutamento

Profissionais de tecnologia: Por que está cada vez mais difícil contratar?

Me recordo de uma conversa, há mais de 10 anos, com um amigo, programador JAVA: “você tinha que aprender a programar” dizia ele, “é uma área que está crescendo demais, quem entrar agora vai se dar muito bem”, reforçava. Essa conversa já era um prenúncio desta grande mudança que estamos acompanhando hoje no mercado, e profissionais de tecnologia são os grandes protagonistas. 

Com a chegada de novas linguagens, frameworks, bancos de dados e, principalmente, com a tecnologia se tornando cada vez mais indispensável e acessível, a busca por profissionais de tecnologia explodiu. Profissões que recentemente, não existiam, passaram a ser extremamente valiosas para as empresas. E agora não estamos falando apenas de desenvolvedores/programadores, temos hoje uma gama imensa de novas profissões na área de tecnologia: UI/UX, Dados, DevOps/SRE, QA, Cloud, mobile… a lista é grande, e com a velocidade que estão surgindo novas tecnologias, só tende a aumentar. 

As grandes empresas estão vorazes na busca pelos profissionais de tecnologia mais qualificados. E não são só as grandes empresas que estão atrás desses profissionais, empresas de todos os portes estão buscando soluções tecnológicas para seus negócios. Mas disputar esses profissionais com as grandes empresas, não é simples. O poder de atração das grandes empresas de tecnologia e o sucesso delas como marca empregadora faz com que tenham uma grande vantagem na hora de atrair os melhores talentos. Pequenas e médias empresas, mesmo investindo em employer branding, não conseguem a atração necessária para competir com os grandes players, porque employer branding é bom, mas não é para todos.

profissionais de tecnologia 1

Como as empresas estão lidando com o problema?

E como em qualquer situação de oferta x procura, para atrair e reter esses profissionais, as empresas começaram a aumentar consideravelmente seus rendimentos mensais. Então um profissional de tecnologia passou a ter seu salário readequado com a mesma velocidade que chegavam mensagens de recrutadores na sua caixa de entrada do LinkedIn. A situação parecia contornada. As empresas encaravam esse custo com a constante atualização em seus times de tecnologia, como um investimento, e conseguiam manter seus times de tech em alto nível. Na outra ponta, profissionais de tecnologia estavam satisfeitos, ganhavam bem e ainda eram super disputados no mercado. Mas algumas mudanças tornaram esse cenário insustentável.

O que mudou?

Com o trabalho remoto sendo adotado em larga escala no mundo todo e o enfraquecimento de nossa moeda, a barreira geográfica passou a ser cada vez mais insignificante. Empresas de países desenvolvidos começam a assediar, cada vez mais, profissionais qualificados da América do Sul, e agora sim, essa concorrência começou a ficar mais complicada. Se já era difícil disputar esses profissionais com as empresas mais desejadas do mercado nacional, que pagavam seus salários em reais, a disputa com empresas que pagam em Dólar ou Euro, é completamente desigual. 

Além disso, enquanto a busca por profissionais de tech só aumenta, a formação de novos profissionais não acompanha a demanda do mercado. Conforme a Brasscom (a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), até 2024, serão criados mais de 400.000 vagas na área de tecnologia, enquanto o  Brasil forma menos de 50.000 profissionais por ano. Ou seja, a tendência é que esse cenário se torne mais caótico nos próximos anos, para as empresas nacionais.

Não existe uma solução fácil para esse problema, nem tampouco, uma expectativa de melhora a curto prazo.

 A dificuldade crescente para encontrar esses profissionais, tem um reflexo direto no mercado de recrutamento. Hoje um tech recruiter passa por um processo semelhante ao que passam os profissionais de tecnologia, com o assédio do mercado e valorização salarial. Por isso se torna tão necessário aumentar o poder de atração das empresas e implementar mudanças na forma como se busca esses profissionais.

A necessidade de uma abordagem totalmente nova para o recrutamento de profissionais de tecnologia é gritante. O modelo de job posting para contratação desses profissionais se tornou muito pouco relevante, já que esses profissionais são bombardeados diariamente por ofertas de oportunidades. Investir em parcerias e testar novos modelos de recrutamento torna-se essencial para o momento que estamos testemunhando e, ainda mais, para o cenário que se desenha para o futuro.

Insight 99Hunters:

Com base em uma pesquisa interna que rodamos com os clientes da 99Hunters, uma estratégia de recrutamento, que vem sendo adotada por algumas empresas de médio e grande porte, é prescindir do skill de idioma (para vagas que não exijam proficiência), para, além de aumentar as chances de uma contratação, também evitar perder esse profissional para oportunidades fora do Brasil. 

As 7 tecnologias de recrutamento para contratar os profissionais certos

As tecnologias de recrutamento podem trazer muitas vantagens para o setor de RH como a otimização de processo, integração das informações e maior assertividade dos procedimentos de seleção. 

Quando o departamento de recursos humanos utiliza todo o seu potencial, consegue contribuir muito mais para o sucesso da empresa. O Google, por exemplo, tem o recrutamento de colaboradores como uma das questões mais importantes do negócio. 

As tecnologias podem facilitar muito os processos de recrutamento, porém, é preciso ter em mente que nem todas elas vão se adequar às necessidades da empresa. Antes de implementar uma nova solução, é fundamental ter a certeza de que sua utilização vai ser positiva no momento.

Uma boa experiência de recrutamento define o tom para a experiência do candidato, bem como para constituir seu Employer Branding. Com o processo de recrutamento certo, você pode garantir os melhores talentos antes dos concorrentes, mesmo em um mercado tão competitivo. O recrutamento estratégico pode ser demorado e caro. Mas se for bem administrado, pode economizar recursos preciosos e liberar tempo para se concentrar em outras estratégias e projetos.

Neste artigo, apresentaremos 7 tecnologias de recrutamento para você ficar de olho em relação ao setor de RH. Confira!

  1. Slack
  2. Zoom
  3. LinkedIn
  4. PipeDrive
  5. Indeed
  6. Glassdoor
  7. 99Hunters

As 7 tecnologias de recrutamento

1. Slack 

O Slack permite que você configure chats para diferentes departamentos de seu negócio. O Slack pode ser útil em todos os aspectos do negócio, mas pode ser ainda mais eficaz para recrutamento. Essa ferramenta pode ser usada para auxiliar a apresentar novos colaboradores para o resto da equipe e ajudar a tirar suas dúvidas no início do processo de seletivo.

Aqui estão algumas vantagens de usar o Slack:

  1. Crie um canal dedicado à sua vaga
  2. Encontre informações importantes com mais rapidez e mantenha os candidatos informados 
  3. Coordene entrevistas e feedback
  4. Receba atualizações de recrutamento e análise de ofertas de emprego no Slack
  5. Rastreie os candidatos até a contratação

2. Zoom

Muitas empresas podem estar familiarizadas com o Zoom graças ao lockdown  e ao trabalho remoto, mas o zoom não precisa ser usado somente para reuniões de equipe. A ferramenta pode também ser usada para fazer entrevistas. Na verdade,  cada vez mais, empresas estão aderindo a plataforma porque tende a ser mais conveniente para entrevistas remotas. 

Do ponto de vista dos candidatos, as entrevistas via Zoom facilitam a logística e evitam estresse. Enquanto que para as empresas, as ligações via Zoom são mais tranquilas, reduzem o tempo e dinheiro necessários para encontrar a pessoa certa. Ferramenta prática, fácil de usar e gratuita.

Aqui estão algumas vantagens de usar o Zoom:

  1. Proporciona conversas reais
  2. Pode gravar as entrevistas
  3. Possibilidade de contratação internacional

3. LinkedIn

Um tempo atrás, somente alguns players do mercado como Monster, CareerBuilder e Craigslist eram opções para recrutar online. Os recrutadores recebiam milhares de mensagens e até mesmo spams, tornando o processo de recrutamento quase um pesadelo pela falta de organização. 

Os tempos mudaram, e agora a mídia social nos possibilitou um mundo novo de oportunidades. O LinkedIn tem 450 milhões de membros e 32% das pessoas empregadas são usuárias ativas do LinkedIn. Isso abre mais oportunidades para os recrutadores encontrarem os candidatos certos mais rápido. Como resultado, o LinkedIn se tornou o método de recrutamento preferido das empresas.

Aqui estão algumas vantagens de usar o LinkedIn:

  1. Maior agilidade e assertividade nos processos seletivos
  2. Maior networking para indicação de vagas
  3. Ajuda a sua empresa a se posicionar melhor no mercado

4. PipeDrive

O PipeDrive é um software de vendas que pode ser muito útil para recrutamento. Algumas ferramentas para recrutamento são muito complexas, difíceis de serem usadas, e requerem um longo treinamento para serem utilizadas. Mas a simplicidade do PipeDrive tem chamado a atenção de profissionais de recrutamento.

A visão horizontal do pipeline dá uma perspectiva geral de quantos candidatos estão participando em cada etapa do processo de contratação. Você pode arrastar e soltar os clientes em potencial de um estágio para o outro sem ter que mudar o  status. E também pode  reservar um horário de entrevista diretamente no aplicativo e receber lembretes, tornando o gerenciamento de tempo muito mais eficiente. 

A ferramenta também se conecta com seu email. Quando você manda ou recebe um email, a mensagem é exibida automaticamente no aplicativo. Em um sentido mais amplo, há algumas outras maneiras de organizar a carga de trabalho:

  1. Permite ter um  pipeline diferente para cada função
  2. Pode personalizar cada estágio do processo como seus nomes
  3. Pode fazer anotações, anexar o CV e o histórico de contato anterior para um cliente em potencial
  4. Todos os envolvidos no processo de contratação conseguem se manter informados sobre a vaga em andamento.

5. Indeed

Indeed é um agregador de empregos que puxa anúncios de vagas de outros lugares e os exibe em seu próprio site, visando candidatos que estão buscando por emprego. Se você navegar um pouco pelo site, vai reparar que alguns dos seus anúncios provavelmente já aparecem lá.

Mas a plataforma também funciona para recrutadores. É gratuito anunciar empregos na plataforma, e também tem a versão paga com alguns recursos extras que irão ajudá-lo a promover seus anúncios com mais facilidade.

A ferramenta tem um ATS integrado no site para ajudar os recrutadores a gerenciar o processo de contratação, fornecendo alguns insights interessantes sobre salários concorrentes e empresas que também estão anunciando empregos no mesmo setor. Ter todas essas informações disponíveis, significa que o recrutador pode criar um anúncio de emprego mais  personalizado para os candidatos certos.

6. Glassdoor

O sucesso da sua organização depende do recrutamento de pessoas altamente qualificadas para as posições abertas. A Glassdor é uma excelente oportunidade para se conectar com essas pessoas. Em média, 50 milhões de pessoas usam a ferramenta todo mês para buscar emprego.  

A plataforma oferece diversas opções para personalizar os recursos de pesquisa para direcionar suas vagas aos candidatos corretos. Você pode selecionar dentro e fora do local de busca (país, cidade, e estado), pesquisar nas páginas concorrentes e até mesmo ampliar suas iniciativas de diversidade e inclusão.

A Glassdor é uma ótima oportunidade de impulsionar o valor da sua marca, através de um perfil repleto de conteúdo de valor, como exibir vídeos dinâmicos, destacar sua cultura, valores e benefícios. A avaliação da empresa é fundamental para aumentar a credibilidade da sua marca e atrair novos talentos.

Aqui estão algumas vantagens de usar a Glassdoor:

  1. Destacar sua marca
  2. Recrutar talentos altamente qualificados e diversificados
  3. Informar candidatos 
  4. Análises intuitivas

7. 99Hunters

A 99Hunters é o maior marketplace de headhunters e consultorias de recrutamento da América Latina. Conecta profissionais autônomos e consultorias, com desafios de recrutamento de empresas parceiras. É uma ótima solução para RHs sobrecarregados. Em um momento em que o RH começa a ter uma participação mais estratégica, com a visão mais voltada para o negócio, funções como pesquisas, recebimento e triagem de currículos e outras atividades operacionais, acabam tirando um tempo precioso do departamento. Através de recrutamento ativo e networking os perfis homologados na plataforma conseguem obter volume e alcance muito maiores do que consultorias tradicionais de executive search. 

Com o avanço da tecnologia, o surgimento de novas profissões e, principalmente, a alta competitividade do mercado por profissionais qualificados, a 99Hunters surge como uma parceira ideal para conduzir as etapas mais operacionais de processos seletivos e dar um fôlego para o departamento de RH. É possível acompanhar todas as etapas do processo em real time através da plataforma e também contar com o atendimento consultivo de um especialista, que irá avaliar todos os perfis apresentados no processo, garantindo a assertividade nas indicações, e fazendo com que o RH possa focar nas etapas mais decisivas do processo.

Aqui estão algumas vantagens de usar a 99Hunters

  1. Assertividade e agilidade do recrutamento ativo
  2. Até 7 vezes mais alcance de busca
  3. Ótimo custo-benefício

Artigos Relacionados (tecnologias de recrutamento)

Líder e Chefe: Saiba como contratar um líder

Existem muitas diferenças entre líderes e chefes. Se formos comparar a definição de um líder e um chefe, vamos perceber que elas são muito parecidas – uma pessoa que comanda um departamento ou uma organização. Porém, o líder influencia o comportamento das outras pessoas em prol de alcançar os resultados da melhor maneira possível. Um verdadeiro líder sabe delegar autoridade, ser atencioso com os membros da equipe, facilitar a comunicação aberta e definir as expectativas dos funcionários.

Saber escolher um líder para sua empresa é crucial para alcançar resultados a longo prazo. Um chefe ruim pode levar a ruína sua empresa. Portanto, fique de olho nas dicas a seguir para saber discernir com clareza as diferenças entre um líder e um chefe. 

Como contratar um líder

Uma estratégia de contratação de cargos de liderança bem elaborada inclui as melhores práticas, como a avaliação de experiência e cultura relevantes. Mas vai, além disso, para determinar se um candidato possui as habilidades e atributos para ser um líder. 

Ao ocupar um cargo de gerente ou executivo, procure traços-chave de personalidade que vão desencadear os comportamentos positivos do líder listado abaixo. 

1. Comportamento profissional 

2. Focado em resultados

3. Tem inteligência emocional

4. Assume a responsabilidade pelas suas próprias ações

5. Influencia os outros para trabalhar em prol de um objetivo em comum

6. Sabe fazer escolhas sábias diante de situações difíceis 

7. Consegue cultivar relacionamentos com sua equipe

8. Sabe delegar responsabilidades para sua equipe 

Os benefícios de contratar bons líderes

Contratar bons líderes pode acelerar o sucesso de uma organização. Para qualquer empresa, gerentes eficazes podem sem dúvida aumentar drasticamente a produtividade, elevar a autoestima dos funcionários e aumentar a vantagem competitiva. Além disso, os clientes também podem ficar mais satisfeitos com o serviço e aumentar a retenção deles. A contratação de bons líderes promovem um clima que motiva o alto desempenho em toda a organização.

Diferenças entre líder e chefe

1. O chefe dá comandos; o líder influencia

A principal diferença é que a autoridade de um chefe vem de sua posição, enquanto a autoridade de um líder vem de sua capacidade de influenciar os outros. Um chefe está lá para garantir que os funcionários sigam as regras de uma organização, e um líder, no entanto, encoraja as outras pessoas a pensar por si mesmas.

Um chefe precisa dar ordens para instruir seus funcionários sobre o que fazer, mas um líder inspira sua equipe para encontrar o melhor caminho e explorar o seu potencial. Líderes pode aumentar sua influência encorajando sua equipe, ouvindo suas ideias e compartilhando o motivo por trás de suas decisões. Este modelo de gestão faz toda a diferença;  as pessoas vão segui-lo porque querem, e não apenas porque precisam.

2. O chefe explica; o líder inspira

Um bom gestor não deve apenas explicar uma tarefa e deixá-la nas mãos de seus funcionários. Um chefe garante que seus funcionários entendam seu trabalho, enquanto um líder apoia e orienta nesse processo. A maior diferença entre um líder e um chefe é que um bom líder sabe inspirar sua equipe e motivá-los para fazer seu trabalho. 

O sucesso exige paixão; sem o desejo de completar as tarefas, os funcionários não serão tão motivados a dar o seu melhor. Os líderes devem motivar seus funcionários, e explicar a importância do seu trabalho.

3. O chefe disciplina; o líder mentora

Erros fazem parte da vida de qualquer pessoa, e isso não é diferente no trabalho. Um bom gestor sabe lidar com situações inesperadas. Os chefes são mais propensos a “punirem” seus funcionários para corrigirem seus erros. Mas grandes lideres sabem que as pessoas aprendem muito mais com seus erros do que acertos. Se um funcionário consegue desempenhar melhor em uma área determinada, isso deve ser reconhecido pelo gestor. 

Um elemento-chave da liderança é a capacidade de aproveitar os talentos de outras pessoas para alcançar um objetivo comum. É importante observar os pontos fortes e fracos de cada funcionário e orientá-los sobre isso. Em vez de julgar as dificuldades, o líder deve orientar seus funcionários para buscar melhorar e aumentar sua confiança em novas áreas. 

4. O chefe delega tarefas; o líder delega autoridade

Um chefe se concentra nos objetivos de seu departamento e é rigoroso em seguir o protocolo para alcançar esses objetivos. Eles pensam a curto prazo, delegam tarefas para sua equipe e não acompanham de perto seus funcionários. Um chefe tem metas a serem alcançadas, enquanto um líder define a visão a longo prazo para a equipe e sabe usá-la para motivá-los

Um chefe apenas dá ordens às pessoas sobre o que fazer,  enquanto um bom líder permite que sua equipe descubra o que fazer e os acompanha de perto. Bons gestores sabem liderar pelo exemplo para que os outros  sigam seus passos e consigam se desenvolver. Eles sabem delegar sua autoridade e sempre buscam  a evolução que sua equipe consiga evoluir. Através de suas habilidades de comunicação e negociação, sabem influenciar os outros em prol do benefício em comum da organização.  

5. O chefe está acima da equipe; o líder faz parte da equipe

Um chefe não dedica tempo para conhecer seus funcionários como um líder. Os chefes enxergam os membros de sua equipe como abaixo dele, enquanto os líderes não se importam muito com a hierarquia olham para os membros de sua equipe no mesmo patamar.

Para ser um líder, é importante facilitar relacionamentos positivos com seus funcionários. Um bom gestar trabalha com as necessidades de sua equipe e cria uma cultura que incentive a comunicação aberta.

Ao conhecer melhor a sua equipe, o líder consegue passar de uma maneira mais clara a sua visão, sabendo discernir a melhor forma para abordar cada pessoa. Bons líderes são genuínos e leais. Eles dão o exemplo para sua empresa. Um líder sem paixão ou motivação, vai influenciar sua equipe para o mesmo caminho.  Líderes não podem ter medo de serem humanos, eles têm que ser reais e expressar suas emoções para se conectar com seus funcionários.

Artigos relacionados:

Estratégias para otimizar sua tomada de decisão

Porque os times de recrutamento estão sobrecarregados

6 hábitos que todo recrutador deve cultivar:

Estratégias para otimizar sua tomada de decisão

Nossas vidas são definidas pela nossa tomada de decisão. Trabalho, relacionamento, e até mesmo saúde se baseiam nas decisões que tomamos. Mas nem sempre é fácil escolher qual é o melhor caminho a ser percorrido.

A indecisão pode atrapalhar até nas coisas simples do dia a dia. Quando não sabemos decidir, perdemos tempo com coisas irrelevantes e deixamos de priorizar aquilo que mais importa. 

Dificilmente evitar uma decisão é uma boa escolha. Quando deixamos de fazer nossas próprias escolhas, acabamos colando essa responsabilidade nas mãos de outras pessoas. Portanto, cabe a nós garantirmos que estamos no controle de nossas vidas e de nossas decisões.

Uma boa escolha nem sempre significa que vai levar muito tempo. Mas para deixar esse processo mais simples, separamos algumas dicas para te ajudar. 

1. Estabeleça prazos

2. Seja objetivo

3. Tome cuidado com “conselhos”

4. Viva o momento

5. Não tenha medo de fracassar

How to make faster decisions | The Way We Work, a TED series

5 estratégias para te ajudar na tomada de decisão 

1. Estabeleça prazos

estabeleça prazos antes de tomar decisões

Defina um prazo para quando você tiver uma decisão importante a ser tomada. Essa dica pode ser muito válida para as pessoas com dificuldade em fazer escolhas a curto prazo. Quando estabelecemos prazos, conseguimos discernir quais atividades são mais importantes no momento, e passamos a priorizar as mais relevantes. Prazos são muito úteis quado temos que decidir rápido, mas não sabemos nem por onde começar.

Anote em um caderno ou um bloco de notas todas as atividades que estão pendentes. Após isso, separe quais são as mais importantes e as menos importantes. Essa técnica é muito útil para conseguir visualizar melhor o que é prioridade no momento e a ser mais diligente. 

2. Seja objetivo 

seja objetivo quando for tomar decisões

Tem momentos em que temos mais alternativas do que precisamos. Mas nem sempre ter muitas opções vai nos levar a tomar a melhor escolha. Nesse caso, é fundamental saber priorizar o que é mais relevante e o que atende mais as suas necessidades no momento. Isso simplificará o processo, eliminará as opções menos relevantes e permitirá que você vá direto ao ponto.

Essa dica é ideal para pessoas que querem pensar em todas as alternativas, mas não conseguem sair do lugar, dificultando ainda mais o processo da tomada de decisão. É normal passar algum tempo considerando a melhor alternativa, mas isso pode se tornar um grande problema se você começar a pensar demais.

3. Tome cuidado com “conselhos”

Tome cuidado com conselhos para tomada de decisão

Pensar no que outras pessoas fariam no seu lugar nem sempre é a melhor coisa a se fazer. Por vezes, acabamos nos comparando com outras pessoas, mas é preciso confiar nas suas escolhas também. Perguntar para sua equipe, amigos ou familiares pode sim, te ajudar bastante, mas avalie muito bem antes quem são essas pessoas, pois elas podem acabar te influenciando negativamente. Se a decisão final está encarregada com você, pondere primeiro aquilo que você considera mais relevante para depois pedir a opinião de terceiros. 

Escolha, pessoas confiáveis para te aconselhar. Ter conselheiros para tomada de decisão é fundamental, mas também precisamos saber com quem estamos lindando. Para isso, escolha as pessoas sinceras e transparentes do seu círculo de amizades, evitando conselhos de pessoas que não vão te acrescentar em nada. 

4. Viva o momento

viva o momento ao invés de se preocupar somente com os seus a fazeres

Ter muitas decisões a serem tomadas pode nos gerar estresse e ansiedade. Evite ficar pensando muito no futuro. Essas preocupações podem somente nos atrapalhar no processo de tomada de decisão. Foque naquilo que está ao seu alcance e dê seu melhor. 

Para fazer boas decisões, precisamos estar com a mente limpa. O estresse pode nos atrapalhar nesse processo, portanto viva o presente e faça escolhas sábias que deixarão a próxima etapa mais fácil. 

5. Não tenha medo de fracassar. 

não tenha medo de fracassar quando for tomar decisões

O medo mais comum entre as pessoas é o de tomar decisões erradas. Apesar de já termos discutidos os aspectos negativos de fazer escolhas ruins, se torna inevitável que em algum momento vamos acabar optando por más escolhas. Mas uma coisa é certa, aprendemos muito mais com nossos erros, do que com nossos acertos. Através das nossas escolhas erradas também podemos aprender lições valiosas que vão ser muito úteis para nossa carreira. 

Ficar parado é muito pior do que fazer escolhas erradas. Quando estagnamos, perdemos a oportunidade de aprender. Portanto, não tenha medo de errar, porque isso faz parte da vida. Ficar parado pode te trazer muito mais prejuízo a longo prazo. Busque aprender coisas novas, não tenha medo de errar, e se arrisque em novas oportunidades.

Leitura recomendada

Afinal, o que é Propósito, como e onde encontrá-lo?

 O que é segurança psicológica e como implementá-la.

Uma vida simples

Porque os times de recrutamento estão sobrecarregados

Nunca se investiu tanto em aquisição de talentos

Entenda como a transformação digital, o aumento da quantidade de profissões e as mudanças comportamentais entre as gerações estão fazendo com que os RHs estejam quebrando a cabeça em busca de inovação e repensando suas políticas e práticas de retenção e desenvolvimento humano para amenizar os desafios dos times de recrutamento.

Nos últimos anos, testemunhamos grandes mudanças no mercado e na forma como as empresas buscam por talentos. A transformação digital e o desenvolvimento ininterrupto de novas ferramentas e tecnologias criou uma demanda enorme por profissionais de tecnologia em diferentes setores da economia, sem falar que há pouco tempo, algumas das chamadas “profissões do futuro” nem existiam.

Community Manager, Digital Influencers, Gestor de talentos, Geneticista, Especialistas em experiência de tecnologia, processos e pessoas, Analistas e engenharias de Big Data, AI, UI e UX Designers, entre outras, são profissões que estão altamente valorizadas e requisitadas, estão gerando um movimento em todo o mercado de recrutamento. Pessoas qualificadas NÃO estão buscando novas oportunidades ativamente no mercado. O mercado está DESESPERADO atrás delas.

Além disso, as gerações mais recentes, Y e Z, também trazem forte impacto para esse cenário. O perfil das pessoas da nova geração costumam ser mais exigentes com suas atividades e propósitos, estão em busca de experiências (pessoais e profissionais), são mais imediatistas e não se importam em pedir demissão em pouco tempo e não criar vínculos, como nossos pais ou avós faziam.

Para assimilar e embasar todas essas mudanças de comportamento e como, ano após ano, isso vem impactando os times de recrutamento, trouxemos um pedaço de um blog post dos nossos amigos da Xerpa, sobre uma pesquisa da Robert Half, que diz “o índice de turnover aumentou cerca de 38% nos últimos anos. No Brasil, esse número passa de 82%!…O estudo envolveu 13 países e entrou em contato com cerca de 1.700 diretores de RH.”

Entender o comportamento das gerações é fundamental para sua estratégia de recrutamento

O impacto nos times de recrutamento e a disputa por profissionais

Profissionais de recrutamento, fazendo menção honrosa aqui para Tech Recruiters, estão sentindo na pele todos esses movimentos que a nova geração e as novas profissões têm causado no mercado, tanto que, em parcerias com outros subsistemas de RH, estão se contorcendo, pensando e repensando estratégias de branding, retenção, e treinamento de pessoas para equilibrar a equação dos times.

As pessoas que já estão exercendo, as chamadas “novas funções do futuro”, estão sendo constantemente procuradas pelo mercado, sobretudo, por headhunters para a oferta de uma oportunidade de trabalho.

É seguro dizer que esses profissionais qualificados já não estão mais se aplicando aos tradicionais sites de vagas e, muito menos, entrando na página de carreira da empresa dos sonhos. As empresas estão freneticamente fazendo propostas para essas pessoas, dia sim, dia não.

Os sites de empregos estão cada vez mais perdendo a relevância para posições corporativas que exijam qualificação ou senioridade. Porém, não é verdade dizer que eles deixaram de existir se você dispõe de time de recrutamento internamente para triagem de centenas ou milhares de currículos, pode ser uma boa fonte para vagas operacionais ou entry level.

Ainda vasculhando o mercado em busca de informações sobre a permanência de profissionais de tecnologia, encontramos uma matéria sobre Turnover de TI  da Geekhunter, que diz: “De acordo com o site Computerworld, em média um profissional de TI fica um ano na Amazon, já no Google o tempo médio de permanência é de 1,1 ano.”

Employer branding é muito importante, mas é para poucos!

Qual o folêgo da sua empresa para brigar com gigantes do mercado? Em um mercado tão competitivo, a força de recrutamento das empresas agora têm, mais do que nunca, papel vital na operação de uma organização, principalmente impulsionado pelo mercado de tecnologia, que agora exige uma dinâmica cada vez mais veloz. Encontrar a melhor pessoa em menos tempo – tarefa que só pode ser executada conhecendo muitas pessoas, ou seja, mantendo um alto volume de entrevistas, demanda um time com senioridade e tamanho. Manter uma força de recrutamento com esses requisitos hoje significa alto investimento para as organizações. Nesse sentido, empresas com porte menor terão que recorrer a outras alternativas para suprir sua competitividade em encontrar pessoas qualificadas – em muitos casos com um parceiro externo de recrutamento.

Integrar, treinar, desenvolver e…o ROI dessa estratégia é positivo? São, em média, 6 meses para que uma pessoa em cargo inicial esteja integrada, entenda os processos e cultura da empresa e, minimamente, esteja pronta para exercer suas atividades.

Independente das estratégias funcionarem ou não, as empresas que têm desafios de contratação estão vendo seus turnovers dispararem e por isso vem tendo postura ativa para recrutamento. Essa é a efetividade e dinâmica necessárias são possíveis através do hunting (recrutamento ativo).

O que é Hunting (Recrutamento ativo) e como ele pode ser um fator fundamental para a força de recrutamento das empresas?

Começando no sentido oposto, recrutamento passivo nada mais é que o famoso anúncio de vaga. A empresa divulga uma oportunidade e espera que as pessoas se candidatem. 

Já no recrutamento ativo, uma pessoa de recrutamento faz contato direto com as pessoas as quais possuem características essenciais para a sua posição e faz o convite para o processo seletivo.

Por conta da digitalização, um aumento do número de profissões e das demandas de mercado, como mencionamos anteriormente, empresas têm procurado investir na força de seus times de recrutamento internamente ou somados a um parceiro de recrutamento externo.

Quando as empresas geralmente recorrem a um parceiro de recrutamento?

  • Quando há necessidade de expertise para recrutar uma habilidade específica em determinada área, ou mesmo região geográfica;
  • Demanda sazonal — quando há um pico sazonal de contratações para um determinado projeto ou resolução de um problema.
  • Quando há necessidade de trazer imparcialidade;
  • Para treinamento de um profissional Jr. do time de recrutamento interno em uma determinada vaga;
  • Para aumentar o alcance de mapeamento de mercado para uma posição, afinal, hunting é feito por conexões;
  • Quando as demandas do mercado e da empresa pedem velocidade e assertividade para implementação de um time, um projeto ou objetivo corporativo;
  • Quando o time interno de RH é extremamente estratégico e focado em desenvolvimento pessoal, preferem manter o foco da equipe de BPs no apoio à gestão. Para isso, delegam a etapa de mapeamento e seleção dos profissionais, atividade considerada mais operacional, para um parceiro externo capaz de apoiar de forma inteligente.

Conclusões: Pare de esperar a pessoa certa para a sua vaga bater em sua porta.

Hunting (recrutamento ativo) é essencial para um time de recrutamento de alta performance. Pessoas qualificadas, em sua maioria, não estão distribuindo currículos ou se candidatando para vagas em sites de emprego. Para alcançá-las, é necessário chegar até elas. O fato de não estarem olhando o mercado, no entanto, não significa que não estão dispostas a ouvir uma proposta.

Algumas vagas exigem determinados conhecimentos técnicos ou experiência em alguma área específica do mercado, através de técnicas de pesquisa, headhunters conseguem segmentar as buscas, aumentando a assertividade e o alcance de mapeamento de pessoas.

Ao publicar uma vaga em um site de emprego, a tendência é ter um número alto de perfis se aplicando, exigindo dedicar tempo e esforços de um time estratégico de pessoas em uma atividade operacional. 

Ao acessar diretamente o perfil ideal, o número de participantes é muito reduzido, e, ao mesmo tempo, muito mais assertivo, o que permite reduzir o SLA de contratação (tempo de duração do processo) e assim, liberar o time de atração para focar no processo de entrevista em diante, fator primordial para acertar em cheio na contratação, afinal, quem melhor que o próprio RH para entender sua cultura e necessidade.

É mais eficaz para posições com alto índice de turnover. Algumas posições possuem um alto índice de turnover, para essas, muitas vezes é inviável investir em treinamento e é imprescindível que o recrutamento seja eficiente, pois aqui, não há tempo hábil, encontrando uma pessoa aderente e com a experiência necessária para a função. 

Cuidado, você pode estar investindo tempo e recursos na estratégia errada. Os times de recrutamento devem focar em analisar o cruzamento de indicadores de recrutamento, ROI de desenvolvimento de pessoas e turnover, para entender se a organização está jogando dinheiro no ralo e focando em partes do processo que poderiam ser automatizadas.

Muitas empresas têm investido muito tempo dos seus times internos triando, selecionando e validando pessoas fora do perfil, enquanto poderiam estar investindo no desenvolvimento de carreira e políticas de apoio à gestão para aumento da produtividade e retenção de seus times.

Leia mais

4 Modelos de e-mail para Feedback Negativo

Transmitir feedback para as pessoas que não foram selecionadas para seguir em seu processo é uma das atividades mais importantes do recrutamento moderno. Informar o motivo da rejeição é um ato de respeito. A falta de retorno, pode gerar uma imagem negativa da empresa.

É preciso ressaltar a importância de uma comunicação clara e objetiva.

Personalize seu e-mail

Apesar de parecer normal elaborar uma mensagem padronizada para profissionais que não avançarão no processo, nem sempre é melhor estratégia a ser tomada. Personalizar os e-mails para cada pessoa, considerando algo mais específico e relevante ao seu perfil, é mais adequado. 

Prefira transmitir o feedback escrevendo o nome de cada pessoa, o nome da vaga para a qual se aplicou, e um motivo relevante. Muitas organizações elaboram feedback de forma subjetiva e padronizada para todos os casos, mas perdem a oportunidade de fazer análises construtivas. A longo prazo, essas estratégias atraem os melhores talentos e fortalecem a Marca Empregadora

Cuidado com comentários em seu feedback

Comentários discriminatórios podem são destrutivos em qualquer lugar, mas em um feedback negativo é ainda mais danoso para todos as partes. Cuidado com mensagens como “estamos buscando pessoas mais jovens” ou “sua experiência para este cargo está acima do que estamos procurando”. Atente-se a argumentos relacionados ao trabalho, como “apesar de estarmos impressionados com suas habilidades, estamos buscando por uma pessoa que tenha experiência com o software x”.

Preze pela honestidade

Explicar o porquê você está rejeitando as pessoas, mostra que reconhece o tempo e esforço que elas colocaram em sua candidatura. Se, por exemplo, eram profissionais qualificadas, mas não tinham experiência suficiente, podem considerar candidatar-se novamente no futuro. Caso se inscrevam ao final do processo seletivo ou até mesmo eram mais qualificadas para outra vaga, entre em contato quando aparecer uma oportunidade mais adequada para o perfil.

Se a pessoa estava nos estágios finais do processo, você pode sugerir conectar-se pelas redes sociais como o LinkedIn, por exemplo, para possam manter contato. Se não estiver considerando esse perfil no futuro, é melhor ir direto ao ponto e evitar a criação de falsas expectativas. Escreva apenas uma mensagem simples, como “boa sorte na sua procura por uma oportunidade no mercado”, para finalizar de uma forma positiva. 

Faça o download dos 4 modelos de Email para feedback negativo agora mesmo!

Separamos um material que te ajudará a criar uma boa comunicação com profissionais que participaram de processos conduzidos por você. Nesse material, você encontrará exemplos de e-mail para cada etapa do processo de recrutamento; desde a entrega de currículos até a rejeição de profissionais após a entrevista.

Estes modelos de e-mail de feedback te ajudará a comunicar-se de maneira amigável e eficiente com as pessoas que não irão passar para as próximas fases. Você pode personalizar seus e-mails para dar um feedback com mais detalhes sobre sua decisão de não prosseguir com a candidatura. Ah, não esqueça de escolher entre um tom formal ou casual, conforme a cultura da sua empresa. Para ter mais inspirações, confira nossos modelos de e-mails de feedback negativos.

Leitura recomendada

4 dicas de cuidados para sua saúde mental e bem-estar

1. Cuide do seu corpo

Nossos corpos e mentes estão conectados. Quando você cuida do seu corpo, você também está cuidando de sua saúde mental e bem-estar.

prato de alimentação balanceada

Coma bem

A comida é combustível para o nosso corpo. Ela fornecendo nutrientes necessários para seu funcionamento, logo, é possível afirmar que a alimentação está diretamente ligada com a nossa produtividade no trabalho. Nossos cérebros conseguem funcionar bem melhor quando colocamos os “combustíveis” corretos no nosso corpo. Alimentos nutritivos como frutas, vegetais e grãos fornecem nutrientes ricos para que nosso corpo funcione melhor.

Aqui estão algumas dicas sobre como se alimentar melhor:

  • Coma regularmente para que seu corpo tenha “combustível” suficiente para funcionar o dia todo, dessa forma, pular as refeições é um grande erro, porque pode fazer você se sentir bem mais cansado e improdutivo. 
  • Cuidado com o excesso de cafeína. Ela pode aumentar a sensação de ansiedade e trazer problemas cardíacos com o passar do tempo, além de impedir que você não durma bem. A cafeína não esta somente presente em cafés, mas também, em outras bebidas como o chá e energético. 
  • Observe a quantidade de açúcar que você ingere. O açúcar fornece uma rápida explosão de energia. Mas quando essa energia acabar, você pode se sentir ainda mais cansado, o que diminuirá seu humor e o deixará ainda mais irritado.
  • Por fim, tome cuidado com o uso de álcool. Apesar do álcool esconder os problemas por um curto tempo, ele torna a tristeza, estresse e outros sentimentos associados ainda mais difíceis de lidar.

Faça exercício físico

Além do exercício físico ser bom para o seu corpo, ele também pode ser muito bom para sua mente. 

O exercício físico pode ajudar a diminuir o estresse, a ansiedade, melhora o humor, aumenta a energia, ajuda a sentir melhor consigo mesmo, melhora o sono  e ainda pode aumentar a sua produtividade no trabalho.

Aqui estão algumas dicas para manter uma vida ativa:

  • Não tem a necessidade de gastar muito tempo por dia se exercitando para ter uma vida saudável. Apenas 30 minutos por dia, entre três a quatro dias na semana já pode ser o suficiente para ver grandes mudanças. 
  • Escolha uma atividade física que você goste. Lembre-se que pode fazer qualquer atividade, contando que você se mexa!
  • Faça exercícios em grupos. É  muito mais fácil se manter motivado quando tem alguém do seu lado. Além de ser bom para sua saúde mental, te ajuda a se manter conectado com outras pessoas. 
  • Na próxima vez que você se sentir triste, preocupado ou estressado, tente fazer uma atividade ao ar livre. Tomar um ar fresco é a melhor forma para se sentir melhor e esquecer um pouco da rotina. 
  • Não se esqueça de consultar um médico caso você tenha algum problema de suade. É fundamental ter um acompanhamento antes de iniciar suas atividades físicas para evitar problemas futuros.

Durma bem 

A qualidade do seu sono tem um impacto significativo na sua saúde mental. Quando não dormimos o suficiente, é muito mais difícil se concentrar, lembrar das coisas, lidar com o estresse e estar disposto. 

A quantidade necessária de sono varia de pessoa para pessoa. Em média, os especialistas recomendam que uma pessoa durma de 7 a 8 horas por dia. Definitivamente, se você estiver dormindo o suficiente, vai se sentir bem mais disposto. 

Aqui estão algumas dicas que você pode tentar caso não esteja dormindo bem:

  • Evite fazer exercícios físicos muito tarde. Exercícios durante a noite podem te deixar muito acelerado e depois você pode enfrentar dificuldades para dormir. Busque por fazer atividades mais lentas e relaxantes como yoga, para te ajudar a se acalmar antes de dormir. 
  • Tome cuidado em comer muito, ingerir álcool, tomar café ou fumar antes de ir para a cama.
  • Crie um ambiente aconchegante no seu quarto para que se sinta confortável. Um quarto mais escuro, silencioso e fresco é o ideal para poder dormir. 
  • Olhar muito as telas antes de dormir pode afetar a rapidez com que você adormece e qualidade do seu dono. A luz do seu smartphone afeta a produção de melatonina, o hormônio que regula o seu clico de sono. 
  • Tente manter uma rotina, indo dormir e acordar sempre no mesmo horário, para que seu corpo se acostume com essa rotina, mesmo nos fins de semana. 

2. Cuide dos seus pensamentos

Ter uma boa saúde mental não significa que vamos apenas ter pensamentos positivos. Sempre haverá momentos de tristeza, medo e aflição; isso faz parte da vida. No entanto, saber lidar com esses sentimentos é fundamental. Uma boa saúde mental significa ver a situação como ela realmente é. 

Evite as armadilhas do pensamento

A maneria que pensamos sobre algo pode nos afetar diretamente. Se sentimos que podemos lidar com um problema, geralmente nos sentimos bem. Mas se sentimos que não conseguimos lidar com um problema, muito provável que vamos nos sentir mal. 

Às vezes parece que algo está ruim, mesmo quando não está. Esses pensamentos são chamados de armadilhas do pensamento. Eles são fáceis de cair e podem nos deixar presos, nos levando a se sentir mal. Portanto, tome cuidado para que não caia nessa armadilha. 

Aqui estão algumas armadilhas frequentes para tomar cuidado com os seus pensamentos. 

  • Pensar que coisas ruins sempre acontecem com você. “Queria ir à praia, mas agora esta chovendo. Isso sempre acontece comigo. Agora acabou meu dia.”
  • Pensar que não é capaz de fazer algo. “Não fui tão bem como eu queria no último teste. Não sou tão inteligente para esse curso.”
  • Focar apenas na parte negativa de uma situação. “Minha equipe venceu, mas não fui tão bem individualmente. Devo ser muito ruim. Talvez eu não sirva para isso”. 
  • Tirar conclusões precitadas antes de saber o que realmente aconteceu. “Meu chefe não me ligou de volta. Provavelmente vou ser demitido agora.”

Você pode lidar melhor com as armadilhas do seu pensamento se observar cuidadosamente os fatos. Na próxima vez que perceber que está caindo em mais uma armadilha do pensamento, faça a si mesmo perguntas para tentar descobrir o problema. 

Não tenha medo de enfrentar seus problemas

Enfrentamos problemas todos os dias e nem sempre são fáceis de resolver. Quando não agimos, pode se tornar ainda pior, aumentando o estresse e a ansiedade por não saber o que fazer. 

Aqui está algumas dicas para poder enfrentar seus problemas melhor:

  • Identifique qual é o problema. Tente ser específico. É mais fácil resolver um problema quando você sabe exatamente o que esta acontecendo. 
  • Pense em diferentes soluções, dessa forma, escreva todas que vier na sua mente por mais que pareçam bobas. 
  • Selecione uma das suas soluções que acha que funcionará melhor. 
  • Elabore um plano para sua solução. Você pode dividir em diversas etapas para que fique mais fácil de executar. 
  • Coloque sue plano em ação. Lembre-se se se manter equilibrado e evitar que seus pensamentos tomem conta de você.
  • Avalie onde conseguiu executar e onde falhou no seu plano. Se não funcionou tao bem, busque por uma das suas outras soluções e faça um novo plano. Continue até encontrar uma solução que funcione. 

3. Desacelere

Todos nós precisamos de um tempo para desacelerar. Sair da rotina é muito importante para podermos esvaziar nossas mentes das preocupações, pensamentos negativos e estresse. 

Quando ocupamos demais nossa cabeça, se torna muito mais difícil conseguir lidar com os problemas. A nossa mente precisa de descanso para poder enxergar com mais clareza os problemas e achar novas soluções. 

Aqui estão algumas dicas que te ajudarão a se sentir melhor:

  • Quando você está sentido para baixo, é fácil ser duro consigo mesmo. Embora você possa não estar disposto a se parabenizar ou a se elogiar, por outro lado, tente ser compassivo. 
  • Trate-se com gentileza e respeito. Reserve um tempo para seus hobbies e projetos pessoais, amplie seus horizontes. Plante um jardim, faça uma aula de dança, aprenda a tocar um instrumento ou até mesmo aquela viagem dos seus sonhos. 
  • Experimente meditação ou práticas religiosas. Os exercícios de relaxamento e práticas religiosas podem melhorar o seu estado de espírito e sua perspectiva de vida. Pesquisas mostram que a meditação pode ajudar a se sentir mais calmo e aumentar os efeitos da terapia. 
  • Respire bem devagar, comece pela barriga, expanda através de suas costelas, tórax e pulmões. Expire com a mesma lentidão. 
  • Se você tentar fazer tudo de uma vez, provavelmente não chegará a lugar algum. Pare e descanse ao longo do caminho. Você vai se agradecer por isso. 

4. Conecte-se com outras pessoas

As pessoas em nossas vidas são uma grande parte de nossa saúde mental. São com elas que compartilhamos os bons momentos da vida, podemos aprender juntos e também nos fortalecer durante os momentos difíceis. 

Amigos e família podem aumentar os sentimentos positivos. Ajuda a evitar a depressão e a ansiedade, nos faz sentir conectados com outras pessoas. Concentre-se na qualidade de suas amizades e relacionamentos, não na quantidade. Se alguém o adjuda a se sentir apoiado, feliz, útil, querido ou amado, mantenha essa conexão.

Algumas pessoas são boas em lidar com sentimentos, outras compartilham um ponto de vista diferente, enquanto algumas têm mais facilidade em cuidar e zelar por aqueles amam.  No fundo, todas se complementam e por isso precisam de umas as outras. 

Aqui estão algumas dicas para criar relacionamentos duradouros. 

  • Pense em novas maneiras de conhecer outras pessoas. Se você gosta de uma determinada atividade, ingressar em um grupo ou classe é uma boa maneira de conhecer outras pessoas com os mesmos interesses. 
  • Junte-se a um grupo de apoio. Essa é uma boa maneira de encontrar ajuda para um problema específico. 
  • Deixe de lado relacionamentos ruins. Alumas pessoas dentro do nosso ciclo de amizades, podem não nos apoiar. É difícil, mas as vezes precisamos deixar as pessoas irem. 
  • Ajudar aos outros nos ajuda a se sentir bem com sigo mesmo. Também é uma boa maneira de conhecer outras pessoas e aprender novas habilidades. 

Para nos manter saudáveis, precisamos de ajuda. Os problemas de saúde mental são mais fáceis de lidar quando nos conectamos com outras pessoas. Buscar ajuda é sinal de força e não de fraqueza. Pessoas que se conectam com outras, tendem a se recuperar de doenças físicas ou mentais muito mais rápido.

alt=""

Testes em processos seletivos: prós e contras

Para ajudar você a decidir se vale a pena incluir testes em processos seletivos, reunimos uma lista de prós e contras para te auxiliar.

Muitas empresas usam testes em processos seletivos para determinar se uma pessoa é qualificada para a função. Esses testes são usados ​​para avaliar profissionais objetivamente antes de definir uma contratação.

Profissionais de RH usam diferentes testes e avaliações para determinar as habilidades, características e comportamento de uma pessoa em um processo de seleção. Esses resultados permitem que sejam tomadas decisões com base em dados sobre quem tem maior aderência para a posição.

Para ajudar você a decidir se vale a pena incluir em seu processo seletivo ou não, reunimos uma lista de prós e contras:

Prós de usar testes no processo seletivo

Melhora a assertividade de sua avaliação.

Os testes funcionam de maneira muito diferente das avaliações tradicionais, como entrevistas, avaliações de currículos e ligações. Medidas tradicionais nem sempre são eficazes, geralmente não indicam precisamente se a pessoa tem as habilidades necessárias para a posição a qual está concorrendo.

Isso se deve ao fato de que recrutadores também avaliam profissionais com base em critérios subjetivos que nem sempre estão relacionados ao trabalho. Quando os testes usados ​​na avaliação de profissionais são bem elaborados, o resultado é muito mais objetivo e confiável.

Padroniza o método de avaliação

Os testes seguem um formato padrão, diferente de quando um Recruiter faz uma conversa por telefone ou em uma entrevista. Cada pessoa tem uma maneira diferente de responder aos questionamentos. Profissionais de RH costumam fazer perguntas diferentes para cada pessoa e nem sempre há acordo sobre como avaliar as respostas dos candidatos. 

Testes bem elaborados e critérios estritamente relacionados as habilidades para o trabalho podem melhorar essa percepção. Eles oferecem aos avaliadores uma base padronizada para comparar as respostas de cada pessoa e entender qual está mais preparada para a função.

Economiza tempo

Para economizar tempo e evitar entrevistas desnecessárias, uma alternativa é incluir testes antes de convidar uma pessoa para o processo. Com os recursos online isso fica ainda mais fácil e comodo.

contras de usar testes no processo seletivo

Não se engane, o teste não é garantia de assertividade.

Não deixe de considerar detalhes importantes como o quão disposta está a pessoa em melhorar e aprender novas tecnologias. Mesmo as que nunca tenham tido uma experiência anterior podem demonstrar entusiasmo e interesse em aprender coisas novas ou adquirir novas habilidades.

O resultado de um teste por si só pode não determinar quem é a melhor pessoa para uma vaga. É importante usar diferentes abordagens e ter em mente que aplicar dezenas de testes não são uma garantia de sucesso.

Podem ser discriminatórios

Cuidado com o tipo e a maneira como você aplica testes. É importante haver um psicológo ou, sobretudo, um profissional de RH experiência para conduzir a aplicação de alguns testes, dependendo de como for elaborado pode acabar violando o direito. Alguns testes podem estar relacionados à condição física ou mental dos candidatos e não relacionadas ao trabalho.

Essas práticas podem violar as leis antidiscriminatórias e levar a empresa a arcar com altos custos. Em 2006 nos EUA, por exemplo, a Equal Employment Opportunity Commission (EEOC) venceu um processo contra uma empresa que selecionou pessoas através de um teste de “força”.

Podem gerar dúvidas

As pessoas nem sempre entenderão corretamente o que está sendo perguntado no teste. Em testes de integridade, por exemplo, uma pessoa pode perguntar se há concordância ou não de afirmações como “a moralidade é importante”. Alguns candidatos podem interpretar esta questão como tratar os outros com justiça, outros podem associá-la à religião ou conservadorismo. Esse tipo de ambiguidade pode gerar dúvidas, além de não fornecerem resultados confiáveis. Certifique-se de explicar muito bem sobre os objetivos de cada pergunta ou resultado esperado.

Deixam os processos mais longos e pode causar desmotivação

Aplicar diferentes testes ou simplesmente pelo fato de incluir testes durante o processo de recrutamento, inclui uma etapa adicional e podem impactar no deadline da contratação. Muitas pessoas podem se sentir desmotivadas ao terem que completar inúmeras etapas de testes e não se dediquem o suficiente para mostrar todo o seu potencial, ou simplesmente desistam do processo.

Os testes devem fazer parte do processo?

Testes em processos seletivos, quando bem elaborados podem ajudar a tornar tudo mais objetivo e simples de avaliar, entretanto, ainda é necessário avaliar seus critérios antes de decidir qual é o melhor para sua empresa. Os testes não extraem todas as informações e características buscadas em profissionais. Para evitar erros é melhor usar vários métodos em paralelo para garantir um processo seletivo mais qualificado. Por fim, como nunca é demais lembrar, não se esqueça de dar transmitir os devidos feedbacks ao final de seu processo.

Referências: https://resources.workable.com/stories-and-insights/pre-employment-testing

3 dicas de ouro para não errar na hora de fazer uma proposta salarial.

Fazer uma oferta de emprego a uma pessoa requer equilíbrio. Deixar a ‘balança’ justa, neste caso, significa chegar a um acordo salarial que respeite os limites financeiros da sua empresa e a pessoa contratada sinta-se respeitada, justamente recompensada e, claro, motivada. O resultado de uma negociação salarial fará com que uma pessoa se sinta querida ou desvalorizada por sua empresa.

O parceiro de negócios de RH moderno busca fazer ofertas estrategicamente pensadas no desenvolvimento a longo prazo de sua empresa e de seu time. Entre as práticas da atualidade está o estudo de composição salarial, cujo objetivo é entender o que motiva uma pessoa a aceitar uma proposta de trabalho, além de salário – claro. O objetivo deste texto não é tirar a importância dessas variáveis, mas sim falar objetivamente salário.

De acordo com uma pesquisa da Glassdor, o salário, não é somente um dos cinco fatores determinantes na decisão de uma pessoa para aceitar uma oportunidade de trabalho, como é o primeiro no grau de importância da pesquisa.

Outro fator que você, gestor de RH, não pode deixar de considerar, é encarar que com a era da informação as pessoas passaram a ter maior acesso a informações sobre remuneração no mercado de trabalho e isso trouxe mais autonomia para argumentação na hora de uma negociação salarial.

As dicas a seguir o ajudarão a conduzir negociações salariais justas que satisfaçam ambas as partes.

Determine seus limites e necessidades.

Você tem uma janela de negociação salarial desde o momento em que propõe uma vaga a um candidato até que ele aceite a oferta, portanto, certifique-se de saber até que ponto sua faixa salarial e necessidade para a função são compatíveis com o mercado, além de considerar o que sua empresa precisa, para assim não desperdiçar o seu tempo, nem dos profissionais que estarão fora de alcance para sua vaga.

Sua faixa mais baixa ainda deve ser competitiva no mercado, portanto, consumir pesquisas do setor podem ser um fator determinante na hora de fazer sua proposta. Caso entenda que sua remuneração mais baixa esteja muito defasada, tente negociar com a direção da empresa flexibilidades em relação aos requisitos, senioridades ou possíveis compensações salariais extras por desempenho.

Dica de Mestre: Não faça uma proposta antes de entender se será atrativa. Pergunte sobre todas as expectativas para a pessoa que tiver entrevistando sobre o que ela espera do futuro da empresa, de seu cargo e de seu salário (não somente para a proposta, mas de futuro). A partir daí você terá mais artifícios para saber se deve ou não elaborar uma proposta de emprego.

Seja transparente e saiba vender sua empresa

Como já falamos na introdução, é importante que você esteja ciente que, seu candidato ou candidata, usará também ferramentas de pesquisa para determinar suas necessidades de remuneração e para negociar um salário.

É quase certo que em suas entrevistas, as pessoas te informem sobre salário atual ou mais recente antes da negociação e essa informação deve ser tratada com cautela.

As pessoas esperam que sejam honestos com elas e saibam até que ponto podem aceitar uma oferta, então, sem enrolação, entenda sua posição nas negociações salariais logo de cara em suas prévias telefônicas ou em sua primeira entrevista.

Se entender que faz sentido seguir do ponto de vista financeiro, vá em frente e venda muito bem sua empresa: reforce o propósito.

Elon Musk, o fundador da Tesla, emprega uma estratégia audaciosa para recrutar funcionários para sua empresa. Ele “vende” sua empresa para os candidatos com o propósito de “mudar o mundo”. Sua marca é tão forte que ele acaba atraindo talentos altamente qualificados com um forte anseio de alcançar essa visão, sendo esse o principal motivacional para aceitar uma proposta de trabalho. Talvez ainda haja dúvida sobre quais são os salários e os benefícios de um funcionário da Tesla. Embora os funcionários da Tesla ganhem mais do que a média nacional nos EUA (US $31.000 por ano), eles ainda recebem menos do que empresas de renome como Ford e General Motors (GM). Para se ter uma ideia, o salário médio da Tesla anual é de US $56.000, enquanto o da Ford é de US $64.000 e o da GM é de US $77.000. Isso demonstra que, embora o salário e a remuneração sejam considerações importantes para os candidatos, outros fatores, como os valores e a visão da empresa, também são fundamentais.

Priorize as pessoas ao invés de números.

Se sua proposta não for boa o suficiente para uma pessoa, talvez seja melhor não fazê-la. Inclusive, fazer uma recomendação sobre como ela pode obter uma proposta ainda melhor em outros segmentos, cargos ou empresas, podem fazer você e sua organização ganhar um seguidor da marca e cultura.

Não existe vaga que apenas uma pessoa possa exercê-la. Você encontrará, em algum momento, a melhor pessoa, para sua cadeira.

Precisa de ajuda com uma contratação difícil que não encontra faz tempo? Nós podemos te ajudar.

Se houver certeza de que sua empresa pode prometer a um talento, um futuro, mas não agora, seja transparente com as alternativas e tente algo diferente, como exemplo, um pacote que foca no bem-estar das pessoas pode ser um grande diferencial. Considere alternativas como trabalhar em casa alguns dias da semana, pode otimizar custos para a empresa e muitos candidatos se sentiriam atraídos com esta opção por lhes oferecer mais liberdade e flexibilidade. Hoje em dia, existem inúmeros benefícios que podem ser incluídos em uma oferta de emprego
Pense em outras compensações financeiras, por exemplo, criar ofertas que não exijam que elas sacrifiquem sua faixa salarial, como remuneração variável, premiações de reconhecimento ou stock options. Essas sugestões podem ser implementadas logo no início da negociação salarial, permitindo as pessoas avaliarem se seu pacote vale a pena ou não.

Ah, por fim, não se esqueça de dar tempo para considerar suas sugestões e evite ser muito insistente a ponto de pressionar uma resposta. Abra um espaço para perguntas e tente deixar a pessoa confortável para esclarecer dúvidas e porventura fazer uma contraproposta.

Precisa de ajuda com uma contratação difícil que não encontra faz tempo? Nós podemos te ajudar.

10 exemplos de pessoas tóxicas

Identifique padrões de comportamento e mantenha sua saúde mental

Você já se deparou com determinadas situações onde o comportamento de alguma pessoa te afeta de tal maneira que você se sente desconfortável? Provavelmente sim, certo? A maioria de nós possivelmente já presenciou alguma dessas situações ou mesmo foi a geradora desse comportamento. Assim como existem alimentos tóxicos que podem ser prejudiciais para o nosso corpo, você também pode encontrar pessoas com determinados comportamentos e atitudes que devemos tomar cuidado, saber como nos afetam e a partir daí, entender como podemos lidar com elas. Segurança psicológica é um tema cada vez mais pautado na atualidade dos RHs, justamente porque pessoas tóxicas podem ser encontradas em qualquer lugar, inclusive no local de trabalho, como seu chefe, colega de equipe, fornecedor ou um cliente. Uma das qualidades mais importantes no mundo corporativo de hoje é a capacidade de lidar com as diferenças e trabalhar em equipe, no entanto, existe um limite e identificar alguns comportamentos prejudiciais podem ser a chave para sua saúde mental. 

A revista Inc. apresenta uma lista das 10 pessoas tóxicas que é preciso evitar, explicando detalhadamente suas características. 

Confira abaixo cada uma delas.

Narcísicas 

“Narcisismo” Que tende a estar completamente centrado em si mesmo, geralmente voltado para sua própria imagem. Pessoas narcísicas são egocêntricas, individualistas e só se preocupam com seu próprio sucesso, sem empatia pelos outros. Elas acreditam serem superiores a todos ao seu redor e acabam diminuindo os outros em prol do seu próprio benefício.

Controladoras

Geralmente são pessoas que acreditam que sabem fazer tudo, querem ter a responsabilidade de tomar as decisões e sempre têm a “melhor” forma de fazer as coisas. No entanto, elas são extremamente inseguras e nunca permitem que outras pessoas expressem suas opiniões, desencorajando os outros ao seu redor.

Dramáticas

Elas literalmente criam drama ao exagerar suas queixas envolvendo aflição e sofrimento de modo a sensibilizar alguém nas suas queixas. Elas estão constantemente instigando a fofoca, incitando a inimizade e colocando os outros em situações desconfortáveis.

Mentirosas

Pessoas mentirosas são extremamente perigosas porque há sempre uma desconfiança no que dizem, desde elogios a promessas. Eles mentem tanto sobre si mesmas quanto de você para os outros, a ponto de difamar sua reputação visando seu próprio proveito. 

Arrogantes 

Muitas vezes são confundidas com pessoas confiantes, mas há uma grande diferença entre confiança e arrogância. Pessoas confiantes inspiram outras, enquanto arrogantes são intimidadoras. Os arrogantes acreditam serem superiores aos outros,  deixam de reconhecer o valor de seus colegas e nunca comemoram suas vitórias.

Vítimas 

Pessoas que se vitimizam são extremamente perigosas. Nunca assumem suas responsabilidades e estão constantemente procurando alguém para despejar suas frustrações, sejam colegas de trabalho ou familiares, a ponto de fazer com que os outros se sintam culpados por seus próprios problemas.

Negativas

Você provavelmente já conheceu alguma pessoa que está constantemente irritada, ressentida e insatisfeita com tudo; elas nunca acreditam que as coisas podem dar certo e estão sempre esperando pelo pior. Essas pessoas acabam sugando a energia dos demais a ponto de parecer que estão tirando uma parte de sua vida.

Gananciosas

Muito de nossa cultura ocidental estimula o materialismo e o acúmulo de mais e mais coisas. Mas quão saudável é essa cede desenfreada para adquirir mais? Pessoas gananciosas podem se tornar extremamente tóxicas, querendo tudo para si mesmas a ponto de se tornarem individualistas e raramente dispostas a ajudar as outras.

Julgadoras

Tem uma grande diferença entre crítica construtiva e julgamento. Pessoas que fazem julgamentos têm a tendência de tirar conclusões precipitadas e procurar prejudicar a reputação do outro. Essas pessoas são más ouvintes e, como resultado, péssimas comunicadoras.

Invejosas

São pessoas que nunca estão satisfeitas com o que têm e são incapazes de se alegrar com o sucesso dos outros. Elas acreditam que se algo de bom acontecer, isso deve ser com elas como resultado de sua inveja.

*Esse texto reflete a opinião da pessoa autora e não necessariamente da 99Hunters.