Você quer mesmo trabalhar em uma Startup?

Ao longo desses últimos 10 anos de minha carreira atuando com recrutamento, tenho acumulado o privilégio de seguir de perto o mercado de trabalho em um período de grandes mudanças em suas relações, e que por tanto tempo seguiram a mesma receita de sucesso profissional: fazer carreira em uma multinacional.

Paralelo a isso, nos últimos 5 anos optei por empreender neste mercado, e pude sentir na pele o que significa de fato montar uma startup, como sua cultura se forma e o mais importante: que tipo de profissional realmente se enquadra nesse tipo de empresa que tem se tornado tão atrativa?

Que hoje o maior desejo dos profissionais é trabalhar em empresas com cultura de Startup eu não tenho dúvidas. Se lá atrás, quando eu entrevistava estudantes de instituições de ensino reconhecidas por formarem talentos, a grande maioria buscava entrar no competitivo mercado financeiro e/ou em consultorias estratégicas, hoje essa maioria não pensa duas vezes antes de entrar em uma Startup buscando seus “propósitos” (esse é um tema para ser explorado em outro post, aguardem).

E quando eu pergunto para os profissionais mais maduros que hoje já ocupam cargos de destaque em multinacionais consolidadas, o que eles estão buscando como próximo desafio de carreira, o cenário é muito semelhante: empresas menores com ritmo de crescimento acelerado; fazer parte de um projeto para tirar uma ideia do papel; menos hierarquia e uma empresa mais ágil; ambiente mais informal e flexível. Ou seja, Startups!

Tenho que concordar que todas essas características você vai mesmo encontrar em uma Startup, e não estou aqui pra desconstruir a ideia de que trabalhar em uma será positivo para sua carreira (até porque sou extremamente realizado por trabalhar na 99Hunters). A reflexão que faço é que toda moeda tem dois lados, e nem todo mundo tem o perfil certo para performar em uma cultura tão disruptiva como tento exemplificar nos pontos abaixo.

Mas antes de tentar responder à pergunta que dá título a este texto, é bom deixar claro sobre qual tipo de Startups estamos falando. Isso porque atualmente qualquer empresa de tecnologia acaba sendo chamada de Startup, e na minha visão uma Startup nem necessariamente precisa ter tecnologia envolvida (mesmo que aconteça de forma mais rara). Estamos nos referindo aqui a empresas jovens, que ainda buscam algum tipo de inovação nos mercados em que atuam, com seus modelos de negócio em desenvolvimento, combinado?

Então vamos lá, você quer mesmo trabalhar em uma Startup?

Remuneração

Se você quer entrar em uma empresa que ainda está tentando se estabelecer no mercado, saiba que há grandes chances dela ainda operar no vermelho, e pode ser ainda que ela nunca chegue a lucrar como esperado. Então se você quer garantir um salário maior, um bônus agressivo e previsibilidade, está indo para uma startup pelos motivos errados.

Riscos

Com exceção das “startups consolidadas” que não são mais startups há muito tempo, há uma chance grande da empresa mudar sua liderança, ser vendida, mudar o rumo para outro modelo de negócio ou até mesmo encerrar as atividades, e assim você ter que procurar outra oportunidade no mercado. Se você não tem estômago ou não tem condições para poder encarar esses riscos, melhor não pagar pra ver!

Mudanças

Sei que estou sendo repetitivo, mas trabalhar em Startup é trabalhar com constantes mudanças em um curto período: a empresa pode ser comprada por outra ou ser investida, pode ter que mudar seu negócio, pode ser reduzida, pode crescer muito e mudar toda a estrutura, provavelmente vai mudar de endereço algumas vezes. Enfim, se mudanças constantes não te agradam, fuja dessas vagas.

Estrutura

Apesar da forte característica de terem estruturas físicas com ambiente informal, descontraído e agregador que chama a atenção, a realidade por trás desse “cenário” pode ser um pouco diferente. Se você está acostumado com empresas com diversos sistemas, áreas de suporte, grandes equipes, vai encontrar uma realidade bem diferente em uma Startup. Não é à toa que o perfil “hands on” é (ou deveria ser) sempre requisitado, pois não vai ser difícil você se encontrar em uma situação em que vai ter que ir atrás de seu próprio material de escritório, ficar sem computador da empresa por uns dias se ele quebrar, construir seus próprios controles e voltar a fazer algumas atividades operacionais que há anos não precisava fazer. Se você não enxerga esse cenário com muita animação, melhor pensar duas vezes.

Gestão

Ter uma pouco mais de autonomia é sempre algo positivo para o crescimento profissional de qualquer um, mas no mundo das Startups muitas vezes você vai perceber que não terá ninguém na empresa com mais conhecimento do que você em um determinado assunto, e quando olhar pra cima pode sentir falta de ter um líder que te desenvolva e/ou de diretrizes que agreguem conhecimento. O autoaprendizado, automotivação e autoconhecimento serão fundamentais para a sua performance e satisfação. Além disso, caso ocupe uma posição de liderança, não se esqueça que seus liderados também foram para uma Startup buscando maior exposição, mais flexibilidade e menos hierarquia. Você está preparado pra isso?

*Esse texto reflete a opinião da pessoa autora e não necessariamente da 99Hunters

4 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *